home

Estudantes da Unisinos trabalham em parceria com a Fundação Fé e Alegria 

No segundo semestre de 2023, estudantes da disciplina Cidadania Social e Soluções Criativas, do curso de Comunicação Digital da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), desenvolveram um projeto com a Fundação Fé e Alegria — uma organização sem fins lucrativos da Companhia de Jesus que atende crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Durante essa iniciativa, foram realizados debates, sessões de brainstorms e outras atividades para encontrar soluções aos principais desafios enfrentados pela instituição.

Além da visita ao espaço do projeto social, os alunos se comprometeram a criar materiais institucionais para a captar empresas parceiras e realizar campanhas de doação, como explica a graduanda Driele Ferreira: “Elaboramos um PDF que apresentava a Fundação às empresas, destacando os tipos de doações aceitas e os benefícios de contribuir. Essa ação fez parte de uma estratégia para fornecer aos alunos, responsáveis por buscar apoio financeiro para a festa de fim de ano, uma base sólida ao apresentar a instituição. Esses materiais poderão ser utilizados  posteriormente pela própria Fundação em suas interações com empresas, visando aprimorar o profissionalismo na solicitação de doações e parcerias”.

Além disso, foram providenciados designs de cards e stories do Instagram para que a instituição os utilize em suas redes sociais e possa compartilhá-los com influenciadores, com o intuito de promover a Fundação. A turma também criou uma campanha de doações em Pix e materiais escolares, direcionada aos colegas de curso, familiares e colegas de trabalho. Esse esforço resultou em uma arrecadação total de R$ 1.538,00, valor que permitiu a aquisição de 35 pincéis, 35 pastas e 105 cadernos.

A estudante do curso de Comunicação Digital também destaca a conquista do apoio de empresas: “O Grupo Vibra contribuiu com a doação de 108 kg de coxa e sobrecoxa de frango, equivalente a um mês de refeições garantidas para as crianças, além da doação da Tris, que incluiu 135 tesouras sem ponta, 135 caixas de lápis de cor, 135 colas brancas, 35 colas coloridas, 405 lápis de escrever, 35 massas de modelar, 135 jogos de caneta hidrocor, 135 apontadores, 100 réguas e 100 borrachas. E agora, na festa de fim de ano de Fé e Alegria, uma das alunas auxiliará na organização e realizará uma roda de conversa com eles”. 

A coordenadora do curso de Comunicação Digital, Melissa Lesnovski, conta que a Fé e Alegria é parceira da Unisinos há muitos anos: “Tanto eu quanto o professor Daniel Bittencourt já havíamos trabalhado com a organização em nível nacional. Sabíamos, portanto, da seriedade e do trabalho fabuloso que eles desenvolvem nas comunidades onde atuam, pautados pelos valores inegociáveis de humanidade, solidariedade e respeito”. 

Melissa afirma que esse trabalho permite aos alunos desenvolverem não apenas competências técnicas, mas também habilidades relacionais e atitudes de liderança e protagonismo em defesa dos mais vulneráveis: “Acreditamos que a educação deve suscitar o melhor em cada aluno, permitindo que enxerguem um leque de oportunidades para transformar positivamente o mundo.  Para nós, é dessa atitude de transformação que o profissional é feito, tanto quanto a formação específica. Inovar exige não apenas trazer o novo ao mundo, mas ser capaz de impactar positivamente as condições de vida nos contextos em que trabalhamos”. 

Driele também destaca a importância do trabalho para os alunos: “Aprendemos que podemos fazer coisas incríveis e que podem impactar a vida do outro, combinando colaboração e persistência. Muitas lições foram aprendidas durante o semestre, como o fato de que nem sempre a teoria funciona e que precisamos buscar alternativas para resolver as coisas. Destaco que o professor Daniel Bittencourt sempre incentivou todos a compartilharem suas ideias e pensamentos sobre como ajudar a Fundação, motivando-nos, alunos, a liderar as reuniões com a equipe da Fé e Alegria e com as empresas. Isso foi muito importante, já que durante a escola estávamos acostumados a apenas prestar atenção e ouvir o professor, nunca tivemos espaço para protagonismo, e isso é algo muito novo para mim”, conclui a estudante.

Fonte: Unisinos
unisinos.br



Compartilhe

Últimas notícias