home

Papa Francisco: A temperança não roubará a nossa alegria, mas nos encherá de felicidade

Nossa capacidade de dominar a nós mesmos e moderar nossas paixões pode nos levar à verdadeira felicidade.

O Papa Francisco fez este lembrete durante a sua Audiência Geral semanal, na quarta-feira (17), na Praça de São Pedro, no Vaticano.

Esta semana, o Papa continuou a sua série catequética sobre vícios e virtudes. Depois de meses dedicados aos vícios, passou a discutir as virtudes, concentrando-se até agora na prudência, na paciência, na justiça, na fortaleza e, agora, na temperança.

Modera nossa relação com os prazeres

O Catecismo descreve a virtude cardeal da temperança como “a virtude moral que modera a atração dos prazeres e proporciona equilíbrio no uso dos bens criados”.

Além disso, o Catecismo diz que a temperança “garante o domínio da vontade sobre os instintos e mantém os desejos dentro dos limites do que é honroso”, observando que a pessoa temperante “dirige os apetites sensíveis para o que é bom e mantém uma sã discrição, e não segue o desejos básicos, mas restringe os apetites.”

Com as outras três virtudes cardeais, esta virtude partilha uma história que remonta a muito tempo e não pertence apenas aos cristãos.

Poder sobre si mesmo

O Papa lembrou a reflexão de Aristóteles sobre enkráteia, termo grego que significa literalmente “poder sobre si mesmo”, pois o grande filósofo estudava as virtudes enquanto explorava o conceito de felicidade.

Com o tempo, recordou o Santo Padre, a temperança foi entendida como a “capacidade de autodomínio”, a “arte de não se deixar vencer pelas paixões rebeldes”.

A temperança, sugeriu o Papa, é a virtude da medida certa.

Saboreia com bom senso em meio a impulsos

Diante dos prazeres, o Papa disse que a pessoa temperante age criteriosamente.

“O livre curso dos impulsos e a total licença concedida aos prazeres acabam saindo pela culatra, mergulhando-nos num estado de tédio”, disse o Papa. “Quantas pessoas que queriam experimentar de tudo vorazmente se viram perdendo o gosto por tudo!”

Diante disso, disse ele, deveríamos desfrutar moderadamente.

“Por exemplo, apreciar um bom vinho”, observou o Papa, é “prová-lo em pequenos goles”, em vez de beber tudo de uma vez.

Sabe a medida certa

A pessoa temperante, disse o Papa Francisco, sabe pesar as palavras e dosá-las bem. «Ele não permite que um momento de raiva arruíne relações e amizades que só depois poderão ser reconstruídas com dificuldade», sobretudo, disse o Papa, «na vida familiar, onde as inibições são menores, todos corremos o risco de não manter tensões, irritações e raiva sob controle.”

Reconheceu que eles sabem a hora de falar e de calar, ambos na medida certa, sabendo controlar a própria irascibilidade.

“Isso não significa que o encontremos sempre com um rosto tranquilo e sorridente”, disse o Papa, reconhecendo que às vezes é necessário indignar-se, “mas sempre da maneira certa”.

Uma palavra de repreensão, disse ele, às vezes é mais saudável do que um silêncio amargo e rancoroso. “A pessoa temperante sabe que nada é mais incômodo do que corrigir outra pessoa, mas também sabe que é necessário.”

Gerencia extremos com elegância

“Em alguns casos, a pessoa temperante consegue manter os extremos unidos”, disse o Papa, afirmando: “afirma princípios absolutos, afirma valores inegociáveis, mas também sabe compreender as pessoas e mostra empatia por elas”.

O dom da pessoa temperante, disse o Santo Padre, é ser “equilibrado”, o que o Papa descreveu como precioso e raro.

Quando “tudo no nosso mundo leva ao excesso”, o Papa disse que a temperança “combina bem com os valores do Evangelho como a pequenez, a discrição, a modéstia, a mansidão”.

O Papa Francisco concluiu, esclarecendo que a temperança não torna a pessoa “cinzenta e triste”, mas “pelo contrário”, “permite desfrutar melhor dos bens da vida”.

Fonte: Vatican News

Compartilhe

Últimas notícias