home

Artigo – Ousamos esperança em tempos tão sombrios quanto estes

Irmãos e irmãs,

No Tempo Pascal proclamamos: “Cristo ressuscitou”! No entanto, toda a nossa região está à beira de uma guerra, enquanto Israel e Irã trocam ameaças. A terrível guerra em Gaza se ampliou para atrair outros países e os profetas da desgraça prevêem que estamos a caminhar para uma guerra mundial em grande escala. O que significa celebrar a Páscoa nesta época? Alguma coisa mudou com a vinda de Cristo? Sua ressurreição promete vida abundante, mas a morte reina por toda parte. Este ano é tão difícil de acreditar! O salmista descreve o nosso sentimento mesmo na Páscoa: “Ouve a minha oração, Senhor; dá ouvidos às minhas súplicas na tua fidelidade; responda-me na sua justiça… Pois o inimigo me perseguiu, esmagando minha vida no chão, fazendo-me sentar nas trevas como aqueles que morreram há muito tempo. Por isso o meu espírito desfalece dentro de mim; meu coração dentro de mim está apavorado” (Salmos 143:1-4). Nesta Páscoa, também estamos desolados pelo inimigo que é a guerra incessante.

Em Gaza, mais de dois milhões dos nossos irmãos e irmãs estão enterrados sob os escombros ou tentando viver em cima deles. Outros estão na estrada, fugindo de um lugar para outro, procurando desesperadamente segurança. Em Gaza, a morte continua a impor o seu reinado mais de seis meses após o início desta última onda de violência. Ela persegue as pessoas onde quer que estejam, vindo como um raio dos aviões acima e dos soldados armados por todos os lados. Ou se insinua, apoderando-se delas pela fome, doença, falta de medicamentos e cuidados hospitalares. Os que ficaram para trás são obrigados a viver em uma paisagem devastada que evoca uma destruição apocalíptica.

Contudo, a morte não reina apenas em Gaza, mas também na Cisjordânia. Os palestinos continuam vivendo sob uma ocupação opressiva, privados de liberdade de circulação, da liberdade para desenvolver sua sociedade e da liberdade para levar uma vida familiar normal. Suas terras são invadidas, confiscadas e suas casas destruídas. Muitos são detidos, presos e definham na prisão sem julgamento, enquanto outros são mortos ou feridos por soldados. Colonos israelenses perambulam pela área em gangues, livres para assediar, abusar, desapossar e matar com pouca ou nenhuma interferência. A vida se tornou ainda mais difícil à medida que a guerra continua em Gaza, e muitos na Cisjordânia são mais controlados do que nunca, desempregados e sem perspectivas para o futuro.

Jerusalém, a Cidade Santa, está envolta em desespero. O caráter palestino muçulmano e cristão da cidade está progressivamente desgastado. Cada vez mais colonos israelenses deslocam-se para bairros palestinos, ocupando casas palestinas e até propriedades da Igreja, e constroem mais habitações em áreas palestinas, trazendo consigo uma maior presença policial e militar. Os palestinos, tanto os cristãos como os muçulmanos, estão cada vez mais limitados quanto ao local onde podem viver, ao que podem fazer, à forma como podem participar na vida da sua cidade.

Ao mesmo tempo, os judeus israelitas, muitos dos quais veem os palestinos como inimigos e intrusos, vivem com medo, apesar do seu poderio militar. Desde os terríveis acontecimentos de 07 de outubro de 2023, muitos têm se concentrado em seus próprios mortos e reféns. Muitos ignoram aqueles que estão sendo massacrados pelo seu exército e famintos pelo seu governo. Claramente chocados com os fracassos de sua própria liderança política e do estabelecimento militar, a reação de muitos parece ser uma busca de vingança e vitória militar, manifestando uma inquietante insensibilidade ao sofrimento dos outros. Muitos buscam segurança e uma segurança ilusória por meio da vitória militar. Poucos parecem perceber que o único caminho a seguir é por meio do diálogo, do fim da violência, da ocupação, da discriminação e da opressão. Israel recebe o apoio dos poderosos deste mundo, esmagadoramente surdos às repetidas advertências proféticas do Papa Francisco desde o início da guerra: “A guerra é uma derrota para todos!”

A Terra Santa está sufocada pelo sofrimento humano, pela opressão, pela injustiça e pela destruição. A morte parece ter vencido a vida; a desumanidade continua a bloquear o reconhecimento do outro como também criado à imagem de Deus. A indiferença descarada de muitas pessoas em todo o mundo, especialmente daqueles que ocupam posições de liderança, encoraja os observadores a olhar impassíveis ou a se afastar.

No entanto, é Páscoa! O salmista não termina com desespero, mas continua: “Lembro-me dos tempos antigos, penso em todos os seus feitos, medito nas obras das suas mãos. Estendo minhas mãos para você; a minha alma tem sede de ti como uma terra seca” (Salmo 143:5-6). Se olharmos apenas para o presente, corremos o risco de nos tornarmos prisioneiros do desespero. Ao ousar ter esperança, devemos lembrar! No meio desta realidade de morte, somos chamados a lembrar que o túmulo está vazio. Jesus emergiu triunfante; a morte não poderia segurá-lo. Esta é a promessa de Deus em todas as Escrituras e Deus é fiel às promessas de Deus. Lembramos que Deus está perto: “Deus está perto dos que têm o coração quebrantado, ele ajuda aqueles cujo espírito está abatido” (Salmo 34:18). Em meio ao sofrimento, os cristãos acreditam firmemente que “a esperança não nos decepciona, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Romanos 5:5).

Com o Cristo Ressuscitado, que caminha conosco, assim como caminhou com os discípulos em Emaús, nos esforçamos para discernir os frágeis sinais de luz e esperança que já estão em ação durante esta escuridão presente. De ambos os lados, algumas pessoas têm a coragem de mostrar seu desejo e disposição para viver juntas, trabalhar por uma solução pacífica para o conflito e construir um futuro melhor para todos. Também esperamos que nós, cristãos, palestinos e israelenses, juntos, possamos ser uma semente de compreensão e paz, orando juntos, ouvindo uns aos outros e servindo a todos sem distinção.

Também lembramos que nossa terra nem sempre foi um lugar de morte, nem está destinada a permanecer assim. Deus prometeu que seria uma terra de vida e esperança. A Igreja na Terra Santa declarou que “estamos ao lado de todos aqueles que vivem nesta terra, em primeiro lugar e acima de tudo como seres humanos. Procuramos mostrar uma saída de uma situação permanente de guerra, ódio e morte. Procuramos apontar o caminho para uma nova vida nesta terra, estabelecida em princípios de igualdade e amor. Ressaltamos que qualquer solução deve ser baseada no bem comum de todos os que vivem nesta terra, sem distinção.

(…) Portanto, promovemos uma visão segundo a qual todos nesta Terra Santa têm plena igualdade, a igualdade adequada a todos os homens e mulheres criados iguais à imagem e semelhança de Deus. Acreditamos que a igualdade, quaisquer que sejam as soluções políticas adoptadas, é uma condição fundamental para uma paz justa e duradoura. Já vivemos juntos nesta terra no passado, por que não viveríamos juntos também no futuro? Repetimos estas palavras hoje!” (Assembleia dos Ordinários Católicos da Terra Santa, Justiça e Paz se beijarão, 20 de maio de 2019).

Portanto, promovemos uma visão segundo a qual todos nesta Terra Santa têm plena igualdade, a igualdade que convém a todos os homens e mulheres criados iguais à imagem e semelhança de Deus. Acreditamos que a igualdade, seja qual for a solução política adotada, é uma condição fundamental para uma paz justa e duradoura. Já vivemos juntos nesta terra no passado, por que não deveríamos viver juntos no futuro também? Repetimos estas palavras hoje!” (Assembleia dos Ordinários Católicos da Terra Santa, “Justiça e paz se beijarão”, 20 de maio de 2019).

A experiência da Páscoa nos obriga a proclamar: O Senhor Ressuscitado triunfou sobre a morte e o mal, e nós somos testemunhas disso. Deus está perto, mais próximo do que a crueldade humana que semeia a morte. Contemplemos o túmulo vazio e continuemos esperando. É precisamente neste lugar de escuridão que a ressurreição encontra sua voz. A voz que proclama que o amor é mais forte do que a morte, que a violência nunca é a resposta. É no lugar da ressurreição que as Bem-aventuranças – que muitas vezes parecem impossíveis de viver – se tornam possíveis com Cristo. É a ressurreição que não apenas nos guia, mas que vive em nós, orientando cada uma de nossas decisões.

Na Páscoa, a pessoa humana é libertada dos ciclos de vingança e violência, capaz de responder à violência com amor. A ressurreição não é nossa resposta à violência; é nossa própria identidade como cristãos, chamados a pregar a esperança quando a esperança parece impossível, a testemunhar a vida quando nossa realidade cotidiana parece prometer apenas a morte. Essa esperança, em nossa pequenez, em sementes de mostarda, em fermento no pão, se traduz em nossa insistência obstinada em continuar imaginando um futuro comum melhor e depois empreender o trabalho de vivê-lo agora.

E assim: na Páscoa e mesmo durante este tempo de morte, proclamamos: “Cristo ressuscitou” e respondemos: “Verdadeiramente ele ressuscitou!” E nós que vivemos na terra de Jesus continuamos a afirmar que o túmulo está vazio. Está no meio da nossa terra, no meio da nossa cidade santa, apontando para o seu próprio vazio, afirmando o poder da vida sobre a morte e da esperança sobre o desespero.

Comissão de Justiça e Paz da Terra Santa
Fonte: Jesuits Global

Compartilhe

Últimas notícias