home

São Luís Gonzaga

Aloysius Gonzaga (Luís Gonzaga, 1568-1591) abriu mão de uma vida privilegiada e de uma herança principesca para viver os votos da vida religiosa até o ponto de entrar em contato com a peste por causa de seu cuidado altruísta com as pessoas já doentes. Ele era o filho mais velho do Marquês de Castiglione e herdeiro do título de família. Os Gonzagas eram conhecidos como patronos dos artistas da Renascença e governavam o que equivalia a um reino.

Quando jovem, Gonzaga usava uma armadura e caminhava ao lado do pai quando ele revisava as tropas. Sua vida começou a mudar depois que ele contraiu malária e sofreu frequentes crises de febre. Já aos sete anos de idade, ele se sentiu atraído pela oração e se afastou da vida cortês ao seu redor. Quando ele tinha nove anos, ele e seu irmão foram enviados a Florença para aprender os costumes dos príncipes da corte do amigo de seu pai, o grão-duque Francesco de’ Medici. A corte dos Médici era uma das maiores e mais opulentas da Europa, mas também cheia de intriga, engano, sexo e violência. O jovem Gonzaga retirou-se deste mundo e firmou-se no desejo de nunca ofender a Deus pecando. Em novembro de 1579 mudou-se para Mântua para ficar com o duque, um parente; naquela residência descobriu um livro com breves vidas dos santos. Ele também começou a rezar os Salmos diariamente e mais tarde começou a meditar depois que descobriu um livro de orações escrito pelo jesuíta Pedro Canísio. Sua piedade incluía missa diária, comunhão semanal e jejum três dias por semana.

O jovem herdeiro viajou com Maria da Áustria, filha de Carlos V, a caminho de Madrid em 1582. Tornou-se pajem atendendo ao duque das Astúrias, herdeiro aparente, e mais tarde foi feito cavaleiro da Ordem de São Tiago. Quanto mais subia na sociedade real, porém, mais os seus pensamentos se voltavam para se tornar um jesuíta, tal como o seu confessor em Madrid (Espanha). Em 15 de agosto de 1583, ele teve uma experiência de oração que confirmou sua decisão. Quando contou ao seu confessor, este disse que teria de obter a permissão do pai.

O marquês ficou furioso com a notícia de que o seu herdeiro queria renunciar a tudo o que lhe foi tão cuidadosamente preparado. Toda a família regressou a Castiglione e depois o marquês enviou os seus dois filhos numa visita às cortes de Itália, na esperança de que a experiência de uma vida tão requintada mudasse a opinião do filho e aliviasse a tensão que se desenvolvera entre dois indivíduos obstinados. A determinação do filho mostrou-se mais forte e o pai finalmente concordou. Em novembro de 1585, Luís renunciou à sua herança em favor de seu irmão Rodolfo e partiu para Roma (Itália), onde se apresentou ao Superior Geral, Cláudio Acquaviva, que o admitiu no noviciado de Sant’Andrea.

Embora o novo noviço ainda não tivesse 18 anos, a sua formação fez-lhe amadurecer para além da sua idade, e ele achou o noviciado menos rigoroso do que a vida que levava por decisão própria. No entanto, ele seguiu obedientemente as regras do noviciado e a orientação do seu mestre de noviços. Se matriculou no Colégio Romano para terminar os estudos de Filosofia antes de fazer os primeiros votos, e em seguida foi para a Teologia. Retornou a Castiglione em 1589 para negociar a paz entre seu irmão e o duque de Mântua, e depois retornou a Roma em maio de 1590.

A peste e a fome atingiram a Itália no ano seguinte e Gonzaga se dedicou a cuidar das vítimas da peste. Pedia esmolas para os doentes e transportava fisicamente aqueles que encontrava nas ruas para um hospital, onde os lavava, alimentava e os preparava para os sacramentos. Ele disse ao seu diretor espiritual, Roberto Belarmino (que mais tarde seria reconhecido como santo), que tinha a premonição de que morreria em breve.

Tantos jovens jesuítas adoeciam que o superior proibiu Gonzaga de voltar ao hospital. Gonzaga conseguiu permissão para trabalhar no hospital Nossa Senhora da Consolação, que não tratava ninguém com doenças contagiosas. Foi para lá, mas entrou em contato com a peste ao cuidar de um homem que estava doente. O jovem jesuíta deitou-se em 03 de março de 1591; sua condição piorou e depois melhorou um pouco, mas ele não conseguiu recuperar totalmente a saúde. A febre e a tosse surgiram e ele lentamente persistiu. Sabia que estava morrendo e pediu para receber a comunhão. Dois jesuítas observaram durante a noite que o seu rosto mudou enquanto ele segurava uma cruz e chamava o nome de Jesus. Ele tinha apenas 23 anos quando morreu. Seu corpo está agora guardado na igreja de Santo Inácio, em Roma.

Tom Rochford, SJ
Fonte: Jesuits Global
https://bit.ly/3KVY88y

Compartilhe

Últimas notícias