home

Sínodo, iniciam-se os trabalhos para o Instrumentum laboris 2

Com o documento Rumo a outubro de 2024, enviado em dezembro do ano passado a todos os bispos do mundo, a Secretaria Geral do Sínodo pediu às Igrejas locais e aos grupos de Igrejas que aprofundassem alguns aspectos do Relatório Síntese que são fundamentais para o tema do Sínodo, partindo de uma pergunta orientadora de todo o processo sinodal: «Como ser uma Igreja sinodal em missão?» Nos últimos meses, as Igrejas locais individuais realizaram seu trabalho enviando suas contribuições por meio das Conferências Episcopais, das Igrejas Católicas Orientais e das Reuniões Internacionais das Conferências Episcopais.

Grech: Igreja sinodal realidade viva

“Estou particularmente impressionado ao ver o envolvimento de toda a comunidade da Igreja nesse longo processo de discernimento”, disse o cardeal Mario Grech, secretário geral da Secretaria Geral do Sínodo. “Além das reflexões decorrentes do trabalho sobre o Relatório Síntese da Primeira Sessão, o material recebido frequentemente acrescenta verdadeiros testemunhos sobre como as Igrejas particulares não apenas entendem a sinodalidade, mas já a estão colocando em prática. A Igreja sinodal não é um sonho a ser realizado, mas já é uma realidade viva que gera criatividade e novos modelos relacionais dentro da mesma comunidade local ou entre diferentes Igrejas ou grupos de Igrejas”.

Contribuições de USG e UISG e dos párocos

A Secretaria Geral do Sínodo também recebeu contribuições da USG-UISG e um número congruente de comentários de realidades internacionais, faculdades universitárias, associações de fiéis ou de comunidades singulares e indivíduos. Outra fonte significativa de reflexão serão as reflexões apresentadas pelos párocos durante a sessão de trabalho de três dias da recente reunião dos Párocos para o Sínodo.

Um grupo de teólogos deu início no dia 04 de junho a uma análise de todo esse material. “Não estamos deixando nada ao acaso. Cada documento será lido cuidadosamente com o objetivo de propor um texto no final do processo que reflita o trabalho, as perguntas e as intuições recebidas das bases”, diz o cardeal Grech.

Análise inicial

Por sua vez, o padre Giacomo Costa, secretário especial da XVI Assembleia, especifica: “Ainda não se trata de redigir o Instrumentum laboris para a Segunda Sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, mas sim de realizar uma análise inicial dos relatórios e das boas práticas implementadas pelas comunidades locais, e um discernimento em comum sobre as questões e as reflexões teológicas, a fim de preparar o caminho para a redação do Instrumentum laboris”.

O trabalho dessa equipe internacional, que está sendo realizado a portas fechadas, começou com um retiro espiritual de meio dia e continuará até o próximo dia 13 de junho. Os dias serão marcados por diferentes momentos de trabalho (individual, em sessão plenária e em grupos). A celebração diária da Eucaristia e os momentos de oração pessoal garantirão que o trabalho ocorra na atmosfera necessária para o discernimento.

Próximas etapas

O processo de redação do Instrumentum Laboris continuará em outras etapas: uma vez que a estrutura do futuro documento tenha sido identificada por meio da articulação do material recebido pelos teólogos, o Conselho Ordinário realizará um discernimento inicial do que foi redigido. Em seguida, haverá as etapas de redação do documento propriamente dito e um sistema de verificação abrangente até a aprovação pelo Conselho Ordinário do documento a ser apresentado ao Santo Padre para aprovação final.

Espera-se que o texto seja publicado nos primeiros dez dias de julho. Informações sobre isso serão fornecidas em tempo oportuno.

Fonte: Vatican News

Compartilhe

Últimas notícias