home

CAC promove módulo sobre ecologia integral e bem viver na Amazônia

No dia 20 de janeiro, a Escola de Educação Socioambiental do Centro Alternativo de Cultura (CAC), em Belém (PA), realizou o 7º módulo sobre ecologia integral e bem viver na Amazônia. O evento reuniu projetos como os Guardiões Ambientais Ribeirinhos e o Serviço de Ação, Reflexão e Educação Socioambiental (Sares).

O encontro teve como objetivo discutir a importância da preservação da Amazônia, nossa Casa Comum, e abordou ensinamentos fundamentais das encíclicas Laudato Si’ e Laudato Deum. Em um esforço conjunto, os participantes exploraram estratégias para fortalecer a justiça socioambiental, garantir direitos humanos e promover o bem viver como uma nova forma de ser e estar no mundo.

A programação incluiu momentos de escuta, troca de experiências, apresentação de documentários sobre projetos locais, conversações espirituais e reflexões sobre o bem viver. Destacou-se também o teatro do oprimido, provocando discussões sobre conflitos socioambientais. Ao final, o evento proporcionou uma mandala sensorial, unindo cheiros, cores, sabores e toques, simbolizando a integração entre seres humanos e natureza.

Mary Nelys, analista social do Sares, comenta que “participar do módulo foi uma experiência maravilhosa, pois a educação popular provoca a troca de saberes, sabores e cheiros da Amazônia”. Ela ainda ressalta: “para mim, foi um aprendizado ter participado deste módulo, pois tem a ver com a missão do Sares, ainda mais falando desses dois documentos referenciais como a Laudato Si’ e Laudate Deum. ”

Sobre a Escola Popular

A Escola Popular responde à demanda crucial de educação socioambiental na Amazônia, enfrentando ameaças provenientes de projetos que comprometem sua rica biodiversidade. Propõe metodologias inovadoras para formação e empoderamento de lideranças, promovendo ecoconsciência, corresponsabilidade e cidadania.

A metodologia da Escola Popular para Educação Socioambiental (EPESa) destaca-se por encontros formativos transdisciplinares, incorporando diversas abordagens interativas. Com 44 participantes provenientes de projetos do CAC, movimentos populares e coletivos, a EPESa engloba diferentes níveis de ensino, tradições religiosas e idades.

Fonte: Paam

Compartilhe

Últimas notícias