home

Ruanda – Trinta anos depois do genocídio

Por: Jean-Baptiste Ganza, SJ, sobrevivente do genocídio

Ruanda está se preparando para comemorar o genocídio contra os tutsis pela trigésima vez. Em 1994, o mundo testemunhou um dos genocídios mais brutais da história da humanidade. Tudo começou na noite de 07 de abril, logo após a queda do avião que trazia para casa o presidente Juvenal Habyarimana de uma reunião regional em Dar es Salam. Exatamente em cem dias, multidões de milicianos hutus invadiram casas, vilarejos e cidades em busca dos tutsis para matar. Velhos e jovens, homens e mulheres, saudáveis ​​e doentes, nenhum tutsi escaparia à fúria dos jovens hutus treinados para matar com facões. Fluxos de sangue tutsi correram por todo o país. Ruanda tornou-se uma vala comum aberta. As tropas da Organização das Nações Unidas (ONU) no terreno abandonaram as vítimas nas mãos dos assassinos. O mundo inteiro assistiu. Passivamente.

Ruanda de 1994 e Ruanda de hoje oferecem dois mundos separados. Os primeiros anos após a tragédia foram extremamente difíceis. A Frente Patriótica de Ruanda assumiu o poder em Kigali, mas milhões de ruandeses fugiram do país para os vizinhos Tanzânia, República Democrática do Congo, Burundi e Uganda. Eles seguiram o regime Hutu que orquestrou os assassinatos. A pilhagem de tudo precedeu a fuga do exército e da milícia Hutu derrotados. Até o Banco Central de Ruanda foi levado para a RDC. O novo governo não tinha dinheiro. O país estava em ruínas. Para os sobreviventes tutsis, havia uma linha que dividia o tempo. A partir daí, houve o antes do genocídio e o depois do genocídio.

A primeira comemoração do genocídio ocorreu em abril de 1995. O evento consistiu na exumação de milhares de corpos das valas comuns em todo o país. Dependendo das informações recolhidas, os familiares e amigos das vítimas recolhiam, escavavam e exumavam os corpos um após o outro. Às vezes eram dezenas. Às vezes milhares. A visão era deprimente, o cheiro inebriante. Participei desta tarefa bastante traumatizante em 1996 e em 1997. Paradoxalmente, houve um sentimento de vitória entre os envolvidos na exumação de corpos. Encontrar os restos mortais dos entes queridos, lavá-los, fazer luto e oferecer-lhes um funeral e sepultamento adequados trouxe algum alívio aos sobreviventes. Sentimos profundamente que a humanidade foi restaurada para as vítimas que foram massacradas como animais e jogadas em valas comuns. Nos anos que se seguiram ao genocídio, tive fome e sede dessas atividades. Participei das escavações e da exumação dos corpos. Eram parentes meus, mas houve momentos em que fiz isso por estranhos.

Em cada um dos anos seguintes, comemorar o genocídio significou repetir o que acabei de descrever. No segundo aniversário, no terceiro, no quarto, fizemos o mesmo. Porém, a cada aniversário, tínhamos esperança de que os últimos corpos tivessem saído e que as comemorações seguintes fossem diferentes. Infelizmente, percebemos que mais corpos eram exumados a cada aniversário. Com o tempo, os perpetradores divulgaram informações sobre a localização das valas comuns. Em troca, a pena foi reduzida.

Enquanto nos preparamos para o trigésimo aniversário, ainda há corpos para encontrar. Foram milhares no ano passado. Certamente haverá outros para encontrar e exumar novamente este ano. Cada abertura de uma vala comum desencadeia uma reabertura de feridas. A minha oração hoje, e a oração dos meus concidadãos ruandeses, é para encontrar os últimos restos mortais das vítimas do genocídio de 1994 contra os tutsis de Ruanda. Então a comemoração significará algo diferente. Só então as nossas feridas sararão e o processo de reconciliação em curso avançará mais rapidamente.

Fonte: Jesuits.Global

Compartilhe

Últimas notícias